DIREITOS GARANTIDOS

Bancários do Santander aprovam Acordos específicos com o banco

Bancários do Santander aprovam Acordos específicos com o banco
sexta-feira, 15/05/2020

Sindicatos de todo o País realizaram Assembleias dos funcionários e funcionárias do Santander, com votação por sistema eletrônico na quarta e quinta-feira (13 e 14/05), que aprovaram a renovação, por dois anos, a íntegra do Acordo Coletivo de Trabalho, Aditivo à CCT (Convenção Coletiva de Trabalho) da categoria. Do total de votos, mais de 98% votaram pela aprovação do instrumento que regulamenta os direitos específicos dos funcionários.

O sistema possibilitou a participação de todos os funcionários do banco, sindicalizados ou não, no processo de votação.

O Acordo do PPRS (Programa Próprio de Resultados Santander) também foi aprovado e colocará, além dos valores da PLR da categoria, no mínimo R$ 2.800 nos bolsos de cada funcionário. O valor da PPRS será reajustado pelo mesmo índice que for definido na Campanha Nacional dos Bancários.

Também foram aprovados os Termos de Compromisso em que o Santander preserva a manutenção da Cabesp (Caixa Beneficente dos Funcionários do Banco do Estado de São Paulo) e do Banesprev (Fundo Banespa de Seguridade Social).

“Parabéns aos bancários e bancárias que votaram. Participar é fortalecer o sindicato e as conquistas da categoria”, afirmou a presidenta da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

“Garantimos a manutenção dos direitos previstos no atual acordo e ainda conseguimos algumas melhorias. Agora, vamos cuidar dos trâmites para a assinatura deste acordo e nos prepararmos para buscar avanços sobre outras reivindicações nas negociações que vão ocorrer no CRT (Comitê de Relações Trabalhistas)”, explicou o secretário de Assuntos Socioeconômicos e representante da Contraf-CUT nas negociações com o banco, Mario Raia, que é funcionário do Santander e membro da COE (Comissão de Organização dos Empregados).

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE