REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Atividade em Londrina alerta sobre a perda de direitos

Dirigentes do Sindicato de Londrina e da FETEC-CUT/PR alertam a população sobre as consequências da reforma da Previdência Dirigentes do Sindicato de Londrina e da FETEC-CUT/PR alertam a população sobre as consequências da reforma da Previdência
sexta-feira, 12/07/2019

Durante o ato foi distribuído material informativo à população

Dirigentes do Sindicato alertaram sobre perda de direitos...

... e orientaram as pessoas a pressionar deputados e senadores

Dirigentes do Sindicato de Londrina e da FETEC-CUT/PR (Federação dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito do Paraná) realizaram atividade nesta sexta-feira (12/07) no Calçadão, denunciando o ataque do governo aos direitos da Classe Trabalhadora com a reforma da Previdência.

Foi distribuído material com informações sobre os principais pontos aprovados pela Câmara dos Deputados nas regras da Previdência, como a idade mínima para requerer a aposentadoria, que é de 65 anos para homens e de 62 para as mulheres, a redução dos benefícios e a manutenção de diversos privilégios para algumas categorias, como os militares e os políticos.

“Toda a pressão é importante para mudar o texto dessa reforma que vai levar ao aumento da miséria no País, da desigualdade de classes e o massacre dos pobres”, avalia Geraldo Fausto dos Santos (Ceará), diretor da FETEC-CUT/PR, acreditando que todos devem cobrar dos deputados e senadores a rejeição das mudanças na Previdência Pública.

Segundo Ceará, milhões de brasileiros e brasileiras não irão se aposentar com essas novas regras, pois é muito difícil se manter no mercado de trabalho devido ao alto índice de desemprego.

“Ninguém vai conseguir contribuir por 40 anos para garantir uma aposentadoria integral e como o cálculo será feito por todas as contribuições, os benefícios ficarão muito baixos, com valores insuficientes para garantir uma vida digna para aqueles que não tiverem mais condições de trabalhar”, aponta.

A Câmara dos Deputados deve votar, em segundo turno, o texto da PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 6/2019 até o dia 17 de julho. Depois, a matéria será encaminhada ao Senado, onde passará por votação em dois turnos.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE