PARANÁ

‘Tratoraço’ de Ratinho Junior altera Previdência dos servidores estaduais

Com a derrota, professores estaduais decidiram encerrar a greve, mas a luta continua em defesa da aposentadoria digna - Foto: APP-Sindicato Com a derrota, professores estaduais decidiram encerrar a greve, mas a luta continua em defesa da aposentadoria digna - Foto: APP-Sindicato
sexta-feira, 06/12/2019

Com 43 votos favoráveis, a Alep (Assembleia Legislativa) aprovou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 16/19 que altera regras da Previdência dos servidores públicos do Paraná.

A votação foi realizada na tarde de quarta-feira (4/12), no teatro Ópera de Arame, em sessão plenária fechada para a população. O entorno do local foi cercado por cerca de 800 policiais militares desde as primeiras horas do dia.

No mesmo dia foram realizadas as duas votações necessárias para aprovar a matéria, mas no segundo pleito apenas os 43 deputados e deputadas aliados ao governo Ratinho Junior participaram, porque a oposição se retirou do local em protesto pelo “tratoraço” contra os servidores.

Os 9 deputados que votaram contra a proposta denunciaram uma manobra acordada entre o governador Ratinho Junior e aliados para votar as alterações em regime de urgência, sem diálogo com o funcionalismo.

Pela proposta, Ratinho quer subir de 11% para 14% a alíquota de contribuição, inclusive dos aposentados e pensionistas, e aumentar a idade mínima para 65 anos para homens e 62 anos para mulheres se aposentarem.

Os Sindicatos que representam as diversas categorias dos servidores públicos do Paraná e parlamentares vão ingressar na Justiça para pedir a anulação da sessão. “É um golpe contra a nossa Constituição, contra a população e contra os servidores. O autoritarismo do governo e de seus aliados não tem limites e não iremos nos calar”, criticou o presidente da APP-Sindicato, Hermes Silva Leão.

Foram votados ainda os projetos de lei n. 855/19 e n. 856/19, também relacionados com a reforma da Previdência. Eles receberam 44 votos favoráveis e 8 contrários. Nesses projetos, o deputado Anibelli Neto (MDB), que votou contra a PEC, apoiou o governo. Apenas o deputado Gilberto Ribeiro (PP) esteve ausente.

Luta continua

Contrários ao projeto e a falta de diálogo do governo, os servidores e servidoras da Educação, que estavam em greve desde a última segunda-feira (2), decidiram em assembleia realizada na tarde de quarta-feira (4) encerrar o movimento, mas foi mantido o Estado de Greve. Caso seja anunciado mais algum ataque ainda este ano, o movimento poderá ser retomado.

Veja como votaram os deputados:

DEPUTADOS QUE VOTARAM CONTRA OS SERVIDORES

Adriano José
Alexandre Amaro
Alexandre Curi
Artagão Junior
Cobra Repórter
Coronel Lee
Cristina Silvestri
Delegado Fernando
Delegado Francischini
Delegado Jacovós
Delegado Recalcati
Do Carmo
Douglas Fabrício
Dr. Batista
Emerson Bacil
Evandro Araújo
Francisco Buhrer
Galo
Gilson de Souza
Homero Marchese
Hussein Barki
Jonas Guimarães
Luis Cláurio Romanelli
Luis Fernando Guerra
Luiz Carlos Martins
Mabel Canto
Mara Lima
Marcel Micheletto
Márcio Pacheco
Maria Vitória
Mauro Moraes
Michele Caputo
Nelson Justus
Nelson Luersen
Paulo Litro
Plauto Miró
Reichembach
Ricardo Arruda
Rodrigo Estacho
Subtenente Everton
Tercílio Turini
Tiago Amaral
Tião Medeiros

DEPUTADOS QUE VOTARAM A FAVOR DOS SERVIDORES

Anibelli Neto
Arilson Chiorato
Boca Aberta
Goura
Luciana Rafagnin
Professor Lemos
Requião Filho
Soldado Fruet
Tadeu Veneri

AUSENTE
Gilberto Ribeiro

NÃO VOTA
Ademar Traiano

COMPARTILHE