ASSEMBLEIA REMOTA

Funcionários do Itaú votam o Acordo de Trabalho Emergencial pela internet. Vote SIM

Vote SIM para aprovar o Acordo de Trabalho Emergencial Vote SIM para aprovar o Acordo de Trabalho Emergencial
segunda-feira, 11/05/2020

Bancários e bancárias do Itaú Unibanco, que atuam nas bases dos Sindicatos que optaram por realizar Assembleia virtual, votam nesta segunda e na terça-feira (11 e 12/05) a proposta do Acordo de Trabalho Emergencial que estabelece direitos para aqueles que estão trabalhando no sistema de rodízio em no sistema home office.

Para participar basta clicar no link https://bancarios.votabem.com.br/, digitar sua matrícula funcional (NÃO DIGITE OS ZEROS À ESQUERDA DO NÚMERO DA MATRÍCULA), o número do CPF e a data de nascimento. O acesso estará liberado das 8h00 horas do dia 11 até às 18h00 horas do dia 12/05/2020.

Segundo o presidente do Sindicato de Londrina, Felipe Pacheco, com este Sistema de Votação não é preciso realizar a Assembleia presencial, o que não é recomendado pelas autoridades neste período de pandemia do novo coronavírus.

“É muito prático e fácil de votar na proposta de Acordo, mantendo assim as medidas de isolamento social para evitar a disseminação do novo coronavírus”, salienta.

Felipe lembra que além de mudanças nas regras do Banco de Horas, a proposta negociada entre o Comando Nacional dos Bancários e o Itaú também garante a suspensão das demissões enquanto durar a pandemia.

“A orientação do Comando é para que o Acordo de Trabalho Emergencial seja aprovado nas Assembleias, assegurando todos os compromissos assumidos pelo banco nas negociações com o movimento sindical”, ressalta.

Principais pontos do Acordo:
- Abono dos dois primeiros meses da quarentena, março e abril. Ou seja, o trabalhador afastado não terá de compensar horas relativas a estes dois meses. Com isto, o Banco de Horas negativo só passa a contar a partir de maio.

- Desconto de 10% nas horas devidas. Exemplo: se o bancário sair da quarentena devendo 200 horas, ele só terá de compensar 180 horas, pois 20 horas (10% das horas devidas) serão abonadas.

- O acordo só vale enquanto durar a quarentena adotada por conta da pandemia do coronavírus. A compensação será iniciada no mês seguinte ao final da quarentena, limitada a duas horas por dia, e somente nos dias úteis, de segunda a sexta-feira, por 12 meses. Isso significa que o trabalhador não terá de compensar essas horas em feriados ou finais de semana; portanto, as horas trabalhadas em feriados, sábados ou domingos deverão ser pagas como horas extras.

- Em caso de demissão após a pandemia as horas devidas não serão descontadas na rescisão.

Por Armando Duarte Jr.

COMPARTILHE