MAMÃE FALEI

Contraf-CUT repudia atos do deputado Arthur do Val

Contraf-CUT repudia atos do deputado Arthur do Val
terça-feira, 08/03/2022

A Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) repudia as ações misóginas e sexistas do deputado estadual Arthur do Val (Podemos-SP), conhecido como “Mamãe Falei”, que foi até à Ucrânia, país atacado pela Rússia desde 24 de fevereiro, e afirmou que mulheres ucranianas são “fáceis, porque são pobres”, entre outros comentários machistas.

Em mensagem vazada, enviada a um grupo do WhatsApp, o deputado, ligado ao MBL (Movimento Brasil Livre), diz que as ucranianas “são fáceis, porque elas são pobres. E, aqui, minha carta do Instagram, cheia de inscritos, funciona demais. Não peguei ninguém, mas eu colei em duas minas, em dois grupos de mina. É inacreditável a facilidade. Essas minas, em São Paulo, você dá bom dia e ela ia cuspir na sua cara. E aqui são supersimpáticas”. Na fronteira com a Eslováquia, o autor do áudio compara a fila de refugiados ucranianos – que somam mais de 1 milhão, segundo a ONU – com a “fila da melhor balada do Brasil”.

Para Elaine Cutis, secretária da Mulher da Contraf-CUT, é repulsiva a postura e a maneira abjeta com que o parlamentar se refere às mulheres ucranianas, vítimas das atrocidades no ambiente de guerra. “Os áudios são muito revoltantes, por si. Quando contextualizados no momento vivido pela Ucrânia e seu povo, em meio a um conflito armado, que fragiliza e vulnerabiliza suas mulheres, suas famílias e todo o seu povo, causa ojeriza”.

Deputados se mobilizam para cassar “Mamãe Falei”

Uma representação suprapartidária foi apresentada ao Conselho de Ética da Assembleia Legislativa de São Paulo, no domingo (6/03), com a adesão de 15 deputados, de diferentes partidos. Segundo a bancada do PT, que participou da articulação dessa representação, a cassação do deputado é importante porque ele já mostrou não ter escopo ético e moral para permanecer representando o povo paulista. A representação contra “Mamãe Falei” afirma que “as declarações são graves em qualquer contexto, em qualquer país e fosse no Brasil, poderiam ser enquadradas em crimes de assédio sexual pela lei brasileira – definido no artigo 216-A do Código Penal como ‘constranger alguém com o intuito de obter vantagem ou favorecimento sexual, prevalecendo-se o agente da sua condição de superior hierárquico ou ascendência inerentes ao exercício de emprego, cargo ou função’”.

“Mamãe Falei” deve prestar contas sobre dinheiro

O uso dos R$ 180 mil na viagem à Ucrânia, que o deputado Arthur do Val, o ”Mamãe Falei”, diz ter arrecadado, deverá ser uma das questões abordadas na Comissão de Direitos Humanos do Senado, que, em sessão na segunda-feira (7/03), deveria votar sua convocação para dar esclarecimentos sobre fala de teor misógino e sexista. “Os eleitores de do Val têm direito de saber: o que ele (Mamãe Falei) fez com o dinheiro que arrecadou antes de viajar? Se o dinheiro era para socorrer os ucranianos, a quem entregou? Tem recibo disso?”, indagou neste domingo o jornalista Ricardo Noblat no site Metrópolis.

Em sua coluna de terça-feira (1°/03), a jornalista Mônica Bergamo publicou entrevista com o deputado, em que ele afirma que o dinheiro “foi arrecadado em uma live feita na segunda, em seu canal no YouTube. No vídeo, o parlamentar aparece com dois voluntários de um movimento de civis que oferece ajuda humanitária para os refugiados e que envia mantimentos para o país vizinho”. Ainda segundo a entrevista, anterior à hecatombe de suas falas machistas, “parte do dinheiro, segundo diz o deputado, será destinada para a compra de alimentos e suprimentos. Eles serão doados ao movimento dos voluntários”.

Arthur do Val retira pré-candidatura ao governo de SP

O deputado estadual comunicou por meio das redes sociais a retirada de sua pré-candidatura ao governo do estado de São Paulo. Em nota, publicada no Instagram, no sábado (5), ele diz que “não tem compromisso com o erro” e que havia entrado em contato com a presidenta do partido, Renata Abreu, para “retirar a pré-candidatura ao governo de São Paulo”.

No mesmo texto em que anuncia a retirada da pré-candidatura, do Val diz que toma esta decisão também para “preservar o árduo trabalho de todos aqueles que se dedicam na construção de uma terceira via”. Em São Paulo, o parlamentar é aliado e defensor da pré-candidatura do ex-juiz Sérgio Moro, também filiado ao Podemos, à presidência da República.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE