LGBTQIA+

Dia da Visibilidade Lésbica é marco da luta pela democracia

Dia da Visibilidade Lésbica é marco da luta pela democracia
terça-feira, 24/08/2021

Em 29 de agosto é comemorado o Dia Nacional da Visibilidade Lésbica, uma data importante em defesa das liberdades e da democracia, travada em plena ditadura militar. Neste dia, em 1983, ativistas lésbicas lideradas por Rosely Roth ocuparam o Ferro’s Bar em São Paulo, em resposta a agressões lesbofóbicas ocorridas algumas semanas antes. Junto com elas estavam também participantes de outros movimentos sociais solidários à luta e contra a violência policial.

O Ferro’s Bar, no Centro de São Paulo, era um conhecido ponto de encontro de lésbicas a partir dos anos 1960. Frequentemente, a polícia fazia investidas violentas no estabelecimento e as frequentadoras eram expulsas do bar. Nesse dia, foi lido um manifesto contra a repressão e pelo direito das lésbicas. O ato foi acompanhado pela imprensa e a repercussão intimidou novas investidas policiais no local.

O Dia Nacional da Visibilidade Lésbica foi escolhido durante a realização do 1º Senale (Seminário Nacional de Lésbicas), em 29 de agosto de 1996. “O Dia da Visibilidade Lésbica é um marco na luta pela democracia. É um evento que ultrapassa a comunidade lésbica e interessa à toda sociedade. Justamente agora, quando vivemos momento difíceis, de ataques à democracia por parte de um governo autoritário e homofóbico, é que se torna necessário levantar a bandeira da democracia e enfrentar qualquer tipo de intolerância”, declarou Adilson Barros, diretor executivo da Contraf-CUT (Confederação nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) e militante do movimento LGBTQIA+.

Adilson enfatiza a defesa da diversidade no Brasil, tão ameaçada pelo governo Bolsonaro. “Com muita luta, o movimento LGBTQIA+ obteve muitas conquistas em nosso País. Ainda enfrentamos muitos ataques e há uma forte cultura conservadora que tenta limitar nossas conquistas. Somos parte do movimento democrático no Brasil e, nesse momento, temos de fortalecer a luta contra o autoritarismo de Bolsonaro. É uma luta de todos”, conclui Adilson.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE