MULHER

Contraf-CUT lança projeto Basta! contra a violência doméstica

Contraf-CUT lança projeto Basta! contra a violência doméstica
quarta-feira, 18/08/2021

A reunião da Direção Nacional da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), realizada nesta terça-feira (17/08), lançou nacionalmente o projeto “Basta! Não Irão Nos Calar!” Com o projeto, a Contraf-CUT vai apoiar na implantação de serviços e atendimento de mulheres vítimas de violência doméstica e familiar.

Este projeto será desenvolvido nas Federações e nos Sindicatos da categoria bancária e tem por objetivo capacitar as entidades a criar canais de atendimento às vítimas. O atendimento é de assessoria jurídica, desde a orientação para a procura dos canais e serviços públicos até orientações sobre questões como guarda dos filhos. A reunião da Direção Nacional foi convocada regimentalmente para deliberar sobre a prestação de contas da Contraf-CUT, que foram aprovadas para os exercícios de 2019 e 2020.

“A Contraf-CUT vai ajudar as Federações e os Sindicatos a criarem seus canais de atendimento das vítimas de violência doméstica. É um projeto muito importante porque infelizmente tem muitas mulheres e entre elas muitas bancárias vítimas de violência. Temos que fazer a nossa parte. O governo desmontou praticamente tudo que tinha de avanço. Vamos fazer a nossa parte até colocar esse País de volta ao eixo. Temos que lutar, resistir e transformar o que pudermos transformar porque vamos colher os frutos de um País melhor, mais feliz, mais justo. Temos obrigação de fazer essa luta”, afirmou a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira. A Direção Nacional da Contraf-CUT aprovou por unanimidade a realização do projeto.

Problema amplo

O projeto Basta! Já existe há dois anos no Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região. Nesse período, realizou 162 atendimentos. O objetivo do projeto é dar assessoria técnica e especializada para entidades filiadas à Contraf-CUT criarem canais de atendimento para orientação e atendimento das vítimas de violência doméstica e familiar. “A violência doméstica não é um problema só das mulheres. É um problema social, um drama para inúmeras famílias. Tem consequências até na economia. Uma pesquisa da Universidade Federal do Ceará mostra que a economia do país perde R$ 1 bilhão com os impactos desse problema. A pesquisa é de 2017 e o problema deve estar muito maior agora, com a pandemia”, destacou a secretária da Mulher da Contraf-CUT, Elaine Cutis.

Além do Sindicato dos Bancários de São Paulo, o projeto Basta! Começou a ser implantado este ano nos Sindicatos de Piracicaba, Campinas e Brasília. “Desde que esse governo assumiu, percebemos um ataque aos direitos das mulheres. Hoje temos um presidente com atitudes machistas, homofóbicas e racistas. Fico feliz de vários sindicatos implementarem esse projeto”, afirmou a presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva.

A secretária-geral do Sindicato, Neiva Ribeiro, destacou a importância do projeto na atual conjuntura. “É dever do estado criar política de acolhimento às mulheres, políticas de emprego e renda para mulheres. Mas nesse momento, esse projeto é uma forma de fazer esse debate. Muitas bancárias começam agora a olhar para o Sindicato de forma diferente”.

Fases

A advogada e feminista Phamela Godoy, que dará assessoria técnica para a implantação do projeto nas entidades, explicou que o desenvolvimento do projeto acontece em cinco etapas. A primeira é definir como se dará o primeiro atendimento às vítimas, se por meio de redes sociais, por telefone ou atendimento presencial. Também é necessário definir o horário de atendimento. A fase dois é definir quem fará o atendimento, se dirigentes sindicais, advogadas da entidade ou advogadas parceiras.

A terceira etapa é a formação da equipe do projeto, em um curso com 30 horas de duração. “Teremos discussão de temas como desigualdades, atendimento humanizado, Lei Maria da Penha e outros instrumentos legislativos”, explicou Phamela. A quarta fase é sobre a articulação com a rede local de enfrentamento à violência doméstica, quais os serviços disponíveis na região. A última etapa é a de acompanhamentos dos primeiros atendimentos.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE