CAIXA

Intransigência trava debate no GT sobre Promoção por Mérito

CEE cobrou do banco a previa aplicação de critérios de avaliação no GDP,  como frequência, realização de cursos da Universidade Caixa CEE cobrou do banco a previa aplicação de critérios de avaliação no GDP, como frequência, realização de cursos da Universidade Caixa
quarta-feira, 05/06/2019

O GT (Grupo de Trabalho) que discute a Promoção por Mérito paritário, formado por representantes da Caixa Econômica Federal e dos empregados, se reuniu na terça-feira (4/06), em Brasília, para discutir uma contraproposta à feita pelo banco na última reunião.

A empresa, no entanto, se manteve intransigente na decisão de utilizar o “nine box” da GDP como critério para a promoção por mérito deste ano, cujos resultados serão aplicados em janeiro de 2020.

Pela proposta da Caixa, só seriam promovidos os empregados que, no resultado da GDP, estivessem classificados nos quadrantes “eficaz”, “superior” e “excepcional”. Se aplicada essa regra, 25% dos empregados elegíveis, em alguns segmentos, ficariam com zero delta.

Os representantes dos empregados deixaram claro que a proposta apresentada pelos empregados levou em conta a construção feita desde 2008 nas Comissões Paritárias com a Caixa, e previa a aplicação de critérios como frequência, realização de cursos da Universidade Caixa e de iniciativa pessoal, realização do PCMSO (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), assinatura dos termos de compromisso, e avaliação 360 graus. Os empregados seriam pontuados de acordo com o desempenho nestes critérios, e, atingindo determinada pontuação, conquistariam os deltas.

GDP

O modelo de avaliação da “meritocracia” adotado pela Caixa é extremamente problemático. Na chamada “avaliação de estilo”, por exemplo, o peso da opinião da chefia representa de 54 a 67% da nota final do empregado, tendo poder decisivo no resultado final. A GDP estabelece também acordos individuais de resultados entre o empregado e a chefia, expondo, portanto, o trabalhador.

Outro ponto negativo é que o resultado das unidades sofre com as sucessivas alterações nas metas feitas pela empresa ao longo do ano.

 “Aplicar a GDP desconsidera todo o acúmulo histórico que foi construído nos últimos 12 anos, a partir do PCS 2008, nas negociações com as representações dos empregados. O impasse representa um retrocesso que nos remete à década de 90, quando a progressão das carreiras ficava a cargo das chefias”, afirma o coordenador do GT, João Paulo Pierozan, da Fetec-CUT/PR (Federação Estadual dos Trabalhadores nas Empresas de Crédito do Paraná).

Como a contraproposta dos empregados foi rechaçada pela empresa nesta rodada e, diante do impasse, o GT remeterá à CEE/Caixa o debate sobre a questão.

Fonte: Fenae

COMPARTILHE