TERCEIRO TRIMESTRE

Mesmo com pandemia, lucro da Caixa chega aos R$ 7,5 bilhões

Mesmo com pandemia, lucro da Caixa chega aos R$ 7,5 bilhões
quinta-feira, 26/11/2020

O lucro líquido da Caixa Econômica Federal nos primeiros nove meses de 2020 foi de R$ 7,5 bilhões. No trimestre, o lucro líquido foi de R$ 1,9 bilhão e o lucro ajustado foi de R$ 2,6 bilhões, crescendo 1,7% em relação ao segundo trimestre de 2020, segundo análise feita pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), com base no balanço trimestral divulgado pelo banco na quarta-feira (25/11).

A Caixa não explicou os fatores que causam a diferença entre o lucro líquido e o ajustado. Em 12 meses, a rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio da instituição foi de 12,72%.

“É preciso destacar que a Caixa obteve lucro de R$ 7,5 bilhões, mesmo neste período de pandemia. É uma instituição que não traz prejuízo para o País, ao contrário, contribui com dividendos para o Tesouro Nacional. Ou seja, não há motivo para que o Governo Federal e o ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes, insistam com a privatização fatiada do banco, por meio da venda de subsidiárias”, observou a coordenadora da CEE (Comissão Executiva dos Empregados) da Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt, que também é secretária de Cultura da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro).

Auxílio Emergencial e quadro de trabalho

A coordenadora da CEE/Caixa ressaltou, também, a atuação da Caixa com o pagamento do Auxílio Emergencial. “Quando falamos em Auxílio Emergencial, muita gente lembra apenas das enormes filas que se formaram nas imediações das agências da Caixa. Mas, se esquecem de que essas filas se formam devido à má gestão do Governo, que centralizou os pagamentos na Caixa, quando poderia dar responsabilidade também aos outros bancos; que criou um sistema de cadastro exclusivo pela internet, que não funcionava e as pessoas procuram o banco para tentar fazer o cadastro; enfim, o Governo comete os erros e são os empregados da Caixa que, indevidamente, recebem as críticas”, disse.

Fabiana acrescentou, ainda, que a instabilidade do sistema da Caixa também contribui para a formação de filas e que a CEE/Caixa cobra constantemente do banco a melhoria e estabilização do sistema.

Sobrecarga

A Fabiana também disse que a redução do quadro de pessoal também influencia na formação de filas. “Os empregados já estavam sobrecarregados devido aos inúmeros PDVs (Planos de Demissões Voluntárias) que foram realizados, sem que houvesse reposição do quadro de trabalhadores. É preciso convocar já os aprovados no concurso para repor o quadro”, completou.

Dados do balanço divulgado nesta quarta-feira mostram que a Caixa encerrou o terceiro trimestre de 2020 com 84.290 empregados, com fechamento de 796 postos de trabalho em 12 meses. Destes, 30 postos de trabalho foram reduzidos entre março e setembro de 2020, em plena pandemia. Também foram fechadas duas agências. Em contrapartida, a Caixa registrou incremento de aproximadamente 43.565 milhões de novos clientes.

“Como não haver filas? Aumenta-se absurdamente a demanda, fecham-se agências e reduz-se o quadro de pessoal. E ainda há quem queira colocar a culpa pelas filas nos trabalhadores que, assim como fazem os médicos e enfermeiros, cumprem arduamente suas funções na linha de frente de atendimento à população, em plena pandemia”, destacou a coordenadora da CEE.

Veja abaixo a tabela resumo do balanço da Caixa, ou, se preferir, leia a análise do Dieese na íntegra.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE