CAIXA

Reunião do GT do Plano de Saúde é marcada por divergência nas projeções de despesas

Reunião do GT do Plano de Saúde  é marcada por divergência nas projeções de despesas
sexta-feira, 18/06/2021

Na reunião do Grupo de Trabalho Saúde Caixa, realizada na quinta-feira (17/06), os representantes dos empregados e da Caixa Econômica Federal não chegaram a um consenso sobre os custos projetados para o plano para os próximos exercícios. O número será utilizado como base para a discussão do formato de custeio do plano que deve ser aplicado a partir de 2022.

O relatório apresentado pela Caixa não havia sido validado pela representação dos empregados. Um dos problemas apontados no relatório foi a ausência de informações sobre a metodologia utilizada para elaborar as projeções. Os valores projetados no relatório apresentado pela Caixa são superiores aos apresentados no relatório da consultoria atuarial que assessora os representantes dos empregados.

O relatório elaborado pela consultoria foi entregue aos representantes da empresa no GT. Além de recomendações para o aprimoramento da gestão (que contribuem com a redução para os custos assistenciais do plano), ele solicita informações adicionais à Caixa, que, inclusive, poderiam alterar a projeção das despesas. Na reunião da quinta-feira (17), a Caixa respondeu que não teria como atender aquela demanda de informações.

“A negativa da empresa em fornecer as informações, como solicitado pela consultoria que nos assessora, é preocupante. Uma projeção que traga valores superestimados pode levar a propostas que tornem o plano inviável para nossos colegas, e devemos evitar isso”, disse o membro do GT, Leonardo Quadros. “O compromisso da Caixa durante a Campanha Salarial foi de disponibilizar todas as informações que fossem solicitadas, e ela tem o dever de fazê-lo”, comenta Alexandro Tadeu do Livramento, representante dos empregados no GT.

Frente ao impasse, foram discutidas alternativas para viabilizar o prosseguimento das discussões. Os representantes dos empregados sugeriram que fossem elaborados modelos de custeio baseados em ambas projeções, ressaltando a necessidade de que a Caixa forneça os dados solicitados pela consultoria dos empregados. A Caixa informou que irá avaliar as alternativas sugeridas e deve trazer respostas na próxima reunião, marcada para terça-feira (22).

Fonte: Fenae

COMPARTILHE