SEM CONTROLE

Inflação dispara em março e já é a mais alta desde a criação do Real há 28 anos

Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado
sábado, 09/04/2022

Puxada pelo item transportes, com aumentos dos preços dos combustíveis, da alimentação e bebidas, por causa do tomate e da cenoura, entre outros, a inflação oficial do País, medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo), disparou neste mês de março de 2022.

O índice chegou a 1,62% e é o maior do mês desde a implantação da moeda do Real, há 28 anos, em 1994, no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), quando o índice foi de 42,75%. No ano passado a variação mensal de março foi 0,93%.

Já sob o governo de Jair Bolsonaro (PL), o IPCA, somente neste ano, acumula alta de 3,20% e, nos últimos 12 meses (março de 2021 a março de 2022), de 11,30%, acima dos 10,54% do mesmo período imediatamente anterior (março de 2020 a março de 2021) – aumento de 0,76%.

Tabela 1

Período

Taxa

Março de 2022

1,62%

Fevereiro de 2022

1,01%

Março de 2021

0,93%

Acumulado no ano

3,20%

Acumulado nos últimos 12 meses

11,30%

O que mais subiu de preço

O IPCA, calculado pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), mostra que oito dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados tiveram alta em março.

A maior variação (3,02%) e o maior impacto (0,65 %) vieram dos Transportes, que aceleraram na comparação com o resultado de fevereiro (0,46%), principalmente, pela alta nos preços dos combustíveis (6,70%), em particular, o da gasolina (6,95%), preços do gás veicular (5,29%), do etanol (3,02%) e do óleo diesel (13,65%). 

Na sequência, veio o grupo Alimentação e bebidas, com alta de 2,42% e 0,51% de impacto. Juntos, os dois grupos contribuíram com cerca de 72% do IPCA de março.

A alta nesse grupo decorre, principalmente, dos preços dos alimentos para consumo no domicílio (3,09%). A maior contribuição (0,08 %) veio do tomate, cujos preços subiram 27,22% em março. Além disso, foram registradas altas em diversos produtos, como a cenoura (31,47%), que acumula alta de 166,17% em 12 meses, o leite longa vida (9,34%), o óleo de soja (8,99%), as frutas (6,39%) e o pão francês (2,97%).

Na alimentação fora do domicílio, em restaurantes, que havia ficado próxima da estabilidade em fevereiro (0,02%), registrou alta de 0,60% em março. Já o lanche teve alta de 0,76%, frente ao 0,85% observado no mês anterior.

Além deles, houve aceleração também nos grupos Vestuário (1,82%), Habitação (1,15%) e Saúde e cuidados pessoais (0,88%). O único com queda foi Comunicação, com -0,05%. Os demais ficaram entre o 0,15% de Educação e o 0,59% de Despesas pessoais.

Grupo

Variação (%)

Impacto (p.p.)

Fevereiro

Março

Fevereiro

Março

Índice Geral

1,01

1,62

1,01

1,62

Alimentação e Bebidas

1,28

2,42

0,27

0,51

Habitação

0,54

1,15

0,09

0,18

Artigos de Residência

1,76

0,57

0,07

0,02

Vestuário

0,88

1,82

0,04

0,08

Transportes

0,46

3,02

0,10

0,65

Saúde e Cuidados pessoais

0,47

0,88

0,06

0,11

Despesas Pessoais

0,64

0,59

0,06

0,06

Educação

5,61

0,15

0,31

0,01

Comunicação

0,29

-0,05

0,01

0,00

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços

Confira o IPCA pelo Brasil entre fevereiro e março e a variação dos últimos 12 meses

Região

Peso Regional (%)

Variação (%)

Variação
Acumulada (%)

Fevereiro

Março

Ano

12 meses

Curitiba

8,09

1,28

2,40

4,20

14,37

Goiânia

4,17

0,91

2,10

3,79

12,18

São Luís

1,62

1,33

2,06

3,98

12,22

Campo Grande

1,57

1,06

1,73

3,44

12,02

Fortaleza

3,23

0,77

1,69

3,21

11,31

Rio de Janeiro

9,43

1,32

1,67

3,64

11,03

Porto Alegre

8,61

0,43

1,61

1,50

10,38

Recife

3,92

0,97

1,53

2,94

11,53

Salvador

5,99

0,83

1,53

3,26

12,13

Vitória

1,86

0,86

1,50

2,96

11,94

Belém

3,94

0,97

1,47

3,12

9,10

São Paulo

32,28

1,05

1,46

3,17

11,04

Belo Horizonte

9,69

1,07

1,44

3,35

10,75

Aracaju

1,03

1,26

1,43

3,64

11,31

Brasília

4,06

0,93

1,41

2,86

9,53

Rio Branco

0,51

0,93

1,35

3,18

12,19

Brasil

100,00

1,01

1,62

3,20

11,30

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços

 

INPC teve alta de 1,71% em março

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) teve alta de 1,71% em março, acima do resultado do mês anterior (1,00%). Essa é a maior variação para um mês de março desde 1994, quando o índice foi de 43,08%, no período que antecedeu a implementação do Real. O INPC acumula alta de 3,42% no ano e 11,73% nos últimos 12 meses, acima dos 10,80% observados no período anterior. Em março de 2021, a taxa foi de 0,86%.

Os produtos alimentícios passaram de 1,25% em fevereiro para 2,39% em março. Os não alimentícios também aceleraram e registraram 1,50%, frente à variação de 0,92% do mês anterior.

Confira o INPC nas capitais

Região

Peso
Regional (%)

Variação (%)

Variação
Acumulada (%)

Fevereiro

Março

Ano

12 meses

Curitiba

7,37

1,12

2,54

4,18

14,55

Goiânia

4,43

0,99

2,13

3,98

12,29

São Luís

3,47

1,35

2,05

3,93

11,78

Campo Grande

1,73

1,12

1,85

3,73

12,28

Rio de Janeiro

9,38

1,28

1,77

3,65

11,46

Porto Alegre

7,15

0,40

1,71

1,58

10,66

Fortaleza

5,16

0,81

1,67

3,20

11,53

Salvador

7,92

0,87

1,66

3,49

12,80

Recife

5,60

1,07

1,64

3,22

11,55

São Paulo

24,60

1,05

1,58

3,55

12,13

Vitória

1,91

0,84

1,56

2,98

12,25

Rio Branco

0,72

0,92

1,55

3,28

11,77

Aracaju

1,29

1,28

1,49

3,78

11,33

Belo Horizonte

10,35

1,10

1,49

3,56

11,08

Brasília

1,97

0,96

1,46

3,11

10,26

Belém

6,95

0,87

1,44

3,22

8,88

Brasil

100,00

1,00

1,71

3,42

11,73

Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de Índices de Preços

O INPC se refere às famílias com rendimento de um salário mínimo (R$ 1.212) a cinco (R$ 6.060), sendo o chefe assalariado, e abrange 10 regiões metropolitanas do País, além dos municípios de Goiânia, Campo Grande, Rio Branco, São Luís, Aracaju e de Brasília.

Confira aqui a integra da pesquisa do IBGE

Leia mais: Cesta básica aumenta em 17 capitais e compromete de 58% a 65% do salário mínimo 

Fonte: CUT Nacional

COMPARTILHE