CAMPANHA TRIBUTAR OS SUPER-RICOS

Tirinhas da Niara chegam à sua 50ª edição

Tirinhas da Niara chegam à sua 50ª edição
sexta-feira, 26/11/2021

As tirinhas da Niara, a mascote da campanha Tributar os Super-Ricos, chegam nesta sexta-feira (26/11) à sua 50ª edição. Com distribuição semanal, sempre às sextas-feiras, ao longo dessas 50 semanas já falou sobre a não taxação de lanchas, helicópteros e jatinhos, a injustiça do foco da tributação no consumo e não na renda e, até, sobre questões da atualidade da política nacional, sempre buscando denunciar a desigualdade socioeconômica do País e sua perpetuação em decorrência da injustiça fiscal, que faz com que os pobres paguem, proporcionalmente, mais impostos dos que os super-ricos.

“As tirinhas da personagem negra e pré-adolescente criada pelo cartunista Renato Aroeira ajudam a explicar, de uma maneira lúdica e leve, temas complexos, como as distorções na cobrança de impostos no Brasil”, observou o secretário de Assuntos Socioeconômicos da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Mario Raia. “Essa característica faz com que as tirinhas sejam um importante instrumento de formação e informação sobre estes temas e ajudem a alavancar o conhecimento pelo público em geral das propostas de tributação dos super-ricos”, completou.

Na edição desta sexta-feira (26), Niara leva a refletir sobre a política neoliberal, que “privatizou” o Estado brasileiro, e ressalta a importância das eleições de 2022 para resgatá-lo e tirá-lo das mãos de uma minoria para devolvê-lo à maioria da população.

Veja a galeria completa das tirinhas da Niara

O que é a campanha

A campanha nacional Tributar os Super-ricos cobra medidas para enfrentar a grave crise aprofundada pela pandemia e contribui para a retomada do crescimento do país. Conta ainda com a participação de diversas entidades sociais, governadores e parlamentares.

São oito as propostas da campanha, que tem a meta de promover um aumento de arrecadação de quase R$ 300 bilhões, tributando apenas as altas rendas e grandes patrimônios dos 0,3% mais ricos do Brasil.

Confira as Propostas

- Correção das distorções do IRPF (Imposto de Renda da Pessoa Física) – revogação da isenção dos lucros e dividendos distribuídos, fim da dedução de juros sobre o capital próprio, elevação do limite de isenção para baixas rendas e criação de nova tabela de alíquotas progressivas.

- Instituição do IGF (Imposto Sobre Grandes Fortunas) sobre as riquezas das pessoas físicas que ultrapassarem R$ 10 milhões.

- Elevação da alíquota da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) dos setores financeiro e extrativo mineral.

- Criação da CSAR (Contribuição sobre Altas Rendas das Pessoas Físicas), incidindo sobre rendas anuais acima de R$ 720 mil.

- Mudança nas regras do ITCMD (Imposto sobre Heranças e Doações), com ampliação da alíquota máxima de 8% para 30%.

- Novas regras de repartição de receitas da União com Estados e Municípios. A previsão é de acréscimos de aproximadamente R$ 83 bilhões para os Estados e R$ 54 bilhões para os Municípios.

- Regras para disciplinar a concessão de benefícios fiscais e para combater a sonegação.

Para saber mais:
facebook.com/tributar.os.super.ricos
instagram.com/tributar.os.super.ricos/
twitter.com/OsTributar

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE