FORA DE CONTROLE

Aumento do diesel chega a 74% no governo Bolsonaro

Aumento do diesel chega a 74% no governo Bolsonaro
quinta-feira, 17/03/2022

Um levantamento realizado pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), com base em dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo), mostra que o preço mínimo do óleo diesel aumentou 74% desde que Jair Bolsonaro assumiu a Presidência da República. De janeiro de 2019 a março de 2022, o valor do litro saltou de R$ 2,87 para R$ 4,99. Se considerado o preço médio, o salto foi de R$ 3,437 para R$ 5,728 no mesmo período.

O aumento faz parte da política de PPI (Preços por Paridade Internacional), adotada pela Petrobras ainda no governo de Michel, em 2016, e mantida por Bolsonaro. Desde então, os preços do diesel, gasolina, gás liquefeito e demais derivados do petróleo vendidos para as distribuidoras são definidos pela cotação internacional do barril de petróleo e pelo câmbio.

“A política de preços dos combustíveis implantada por Temer e mantida por Bolsonaro é boa para os acionistas da empresa, a maioria deles estrangeiros, mas é péssima para o Brasil e para os brasileiros que dependem dos derivados do petróleo”, observou a presidenta da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Juvandia Moreira. “Bolsonaro diz não ter culpa pelo aumento dos combustíveis, então, por que queriam que a ex-presidenta Dilma interferisse na política de preços praticados pela Petrobras?”, completou a presidenta da Contraf-CUT ao lembrar que, insuflados pelo então deputado federal hoje na Presidência, caminhoneiros paralisaram o País, exigindo que Dilma reduzisse o preço do óleo diesel.

Leia também: Gasolina a 10 reais revolta população

Quando a nova política de preços de combustíveis foi implantada pela Petrobras, o preço mínimo do diesel estava em R$ 2,53 e o preço médio em R$ 3,01. A variação até março de 2022, neste caso, supera os 97%.

Especulação e impostos

Para o secretário de Assuntos Socioeconômicos da Contraf-CUT, Mario Raia, não faz sentido a utilização da PPI no Brasil. “Nosso preço de extração e refino são mais baixos do que dos produtores internacionais. E, neste momento de alta da inflação, sua utilização é extremamente perigosa para o país. Permite que especuladores internacionais se lambuzem com o dinheiro ganho às custas do povo brasileiro, enquanto a população sofre com a escorchante alta nos preços dos derivados de petróleo”, explicou.

Mario ressaltou que a variação de preços nas bombas, na venda ao consumidor, depende também de impostos e das margens de lucro de distribuidores e revendedores. No Acre, por exemplo, na cidade de Marechal Thaumaturgo, a mais de 500 quilômetros de Rio Branco, o litro da gasolina chegou a R$ 10,55. Já em São Pedro, cidade do interior do Rio Grande do Sul, a 358 quilômetros de Porto Alegre, o preço do litro da gasolina chegou a R$ 8,00, após o reajuste realizado pela Petrobras.

“Mas, esta variação de preços, que leva em conta diversos outros fatores, como o custo do transporte até o local e os impostos estaduais, não exime de culpa a política de preços praticada pelo atual governo, que beneficia apenas os acionistas da Petrobras”, concluiu Mario Raia.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE