ALERTA

Agência do Bradesco em Londrina passa por desinfecção

A agência do Bradesco na Av. Madre Leônia Milito passou por desinfecção e os funcionários foram afastados A agência do Bradesco na Av. Madre Leônia Milito passou por desinfecção e os funcionários foram afastados
terça-feira, 26/05/2020

A agência do Bradesco localizada na Avenida Madre Leônia Milito, na Zona Sul de Londrina, teve o expediente suspenso e passou por desinfecção na segunda-feira (25/05), após um bancário ter testado positivo para o novo coronavírus (Covid-19).

Segundo Valdecir Cenali, diretor do Sindicato de Londrina e representante do Vida Bancária na COE (Comissão de Organização dos Empregados), o funcionário foi afastado no dia 18/05 por estar apresentando sintomas da doença e no sábado (23) o resultado do teste confirmou que ele estava com a Covid-19.

“Como o banco estava com todos os demais funcionários prontos para trabalhar na segunda (25) e iria abrir a agência normalmente, nós intervimos e cobramos o cumprimento do protocolo negociado com a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos). A agência passou por sanitização e abriu as portas nesta terça-feira (26) com outra equipe”, explica Valdecir.

Os funcionários que tiveram contato com o colega afastado foram colocados em quarentena através do Viva Bem Bradesco.

Agências bancárias são locais de risco

Por estarem em prédios sem ventilação natural, com grande fluxo de pessoas e movimentação constante de documentos, os bancos são locais propícios para a disseminação da Covid-19.

Laurito Porto de Lira Filho, diretor do Sindicato de Londrina, afirma que esta foi a quinta vez que uma agência bancária na Região teve o expediente suspenso por registrar suspeitas de Covid-19. Em Cambé, a agência da Caixa Econômica Federal passou duas vezes por esse procedimento após empregados terem registrado sintomas da doença, o que não foi confirmado nos testes.

“Felizmente, nos demais casos foram apenas suspeitas, mas é bom reforçar as orientações para que todos tomem as precauções necessárias para se proteger do novo coronavírus, bem como denunciem ao Sindicato qualquer medida tomada por gestores que desrespeitam as medidas negociadas com os bancos”, ressalta Laurito, lembrando que esse vírus é altamente contagioso e que em Londrina já tem 297 casos confirmados e 20 pessoas já morreram na cidade em decorrência dessa doença.

País tem 2.200 agências fechadas durante a pandemia

Reportagem divulgada pela Revista Época revela que, por conta da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), cerca de 2.200 agências bancárias foram fechadas no País como forma de reduzir o atendimento presencial. Esse procedimento foi adotado nas negociações entre o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) e levou mais de 300 mil bancários e bancárias a serem colocados no sistema home office.

De acordo com a matéria, pelo menos 22 bancários que estavam na ativa morreram devido à doença, segundo levantamento feito por ÉPOCA junto ao Comando Nacional dos Bancários e Sindicatos de nove Estados que monitoram os dados a partir de denúncias da categoria.

O número de infectados nos bancos do Amazonas, Bahia, Ceará, Pará e Pernambuco está próximo de 500, mas as entidades afirmam que há subnotificação dos casos.

A revista lembrou que as entidades de representação da categoria negociaram com os bancos medidas para evitar o aumento do contágio pelo novo coronavírus nos bancários, vigilantes e clientes e, em entrevista, a presidenta da Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro), Juvandia Moreira, disse que o número de casos poderia ser muito maior se os pertencentes aos grupos de risco não estivessem trabalhando em casa.

"Estamos em processo de negociação permanente, o que possibilitou colocar muita gente em casa. Avaliamos que isso salvou muitas vidas", afirmou.

Por Armando Duarte Jr. com informações de ÉPOCA

COMPARTILHE