BANCO DO BRASIL

Contraf-CUT cobra mesa de negociação sobre a Cassi

Contraf-CUT cobra mesa de negociação sobre a Cassi
quinta-feira, 19/09/2019

A Contraf-CUT (Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro) cobrou do Banco do Brasil na terça-feira (18/09) a reabertura das negociações sobre a Cassi (Caixa de Assistência dos Funcionários).

A cobrança ocorreu durante reunião para apresentação do novo coordenador da CEBB (Comissão de Empresa dos Funcionários), João Fukunaga, ao vice-presidente de Gestão de Pessoas, Suprimentos e Operações do BB, Antônio Gustavo Matos do Vale, e com o diretor da Diretoria de Pessoas (Dipes), José Avelar Matias Lopes.

“Temos um histórico de negociação que é reconhecido pelo próprio banco. Não podemos jogar tudo isso fora e deixar um terceiro decidir sobre uma coisa que caberia aos associados e ao banco decidir. Queremos a reabertura das negociações para que essa decisão seja de quem está envolvido no processo”, disse a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, se referindo à intervenção na Cassi pela ANS (Agencia Nacional de Saúde Suplementar).

Sem negociação, todos perdem

A Cassi é muito mais do que um plano de saúde. Sua política de atuação preventiva reduz os custos com tratamentos e também os afastamentos de funcionários”, observou Fukunaga. “Se o banco não reabrir as negociações, a carteira de associados pode parar nas mãos do mercado privado, que não oferece este e outros serviços hoje oferecidos pela Cassi. Os funcionários serão prejudicados, mas o banco também será”, completou Fukunaga.

A Contraf-CUT encaminhou um ofício ao banco solicitando esclarecimentos sobre a resposta dada pelo banco ao pedido de prorrogação do Memorando de Entendimentos, firmado em 2016 e com validade até dezembro de 2019. O memorando garante o aporte extraordinário de cerca de R$ 500 milhões por ano ao Plano Associados da Cassi, sendo 60% deste valor de responsabilidade do banco e outros 40% de responsabilidade dos associados.

Em resposta enviada à Contraf-CUT e demais entidades de representação dos funcionários no dia 10 de setembro, o BB negou a prorrogação do aporte extraordinário à Cassi e ainda disse que mesmo os recursos previstos na proposta para sustentabilidade da Cassi recusada em consulta aos associados, podem não estar mais disponíveis. Segundo o banco, as conversações são limitadas por premissas anteriores.

No ofício, a Contraf-CUT questiona quais são os limites e as premissas citadas na resposta do banco e se este aceitará, ou não, a reabertura de negociações solicitada pela Contraf-CUT e demais entidades que compõem a mesa de negociações sobre a Cassi.

Fonte: Contraf-CUT

COMPARTILHE